Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

22.Jun.18

Voltar a Salamanca

David Marinho

Hoje apetece-me falar de Salamanca.

Já lá foram? Então façam questão de ir, seja qual for a resposta.

Eu nasci e vivi toda a minha vida numa terra de ferroviários. Desde o barulho dos comboios, o fumo, o cheiro a óleo queimado, o Intercidades que vinha do Barreiro, o Regional que partia de onde moro, a azáfama para Vendas Novas, Setúbal, Évora ou para o Algarve. Era ali que tudo acontecia, e tinha de passar por ali para ir à outra parte da vila - sempre foi assim e sempre será. 

Não é por acaso que desenvolvi desde criança uma paixão pelos comboios, e por tudo o que representam na vida das pessoas, longe do negócio e das greves, que isso são outras contas. E foi por isso que quis até ao ano passado apanhar o comboio-hotel para ir a Madrid, experimentar o serviço e a sensação de viajar para o estrangeiro noutro meio de transporte que não o avião ou o carro.

Devo dizer, afastando-me do panorama, que é uma viagem demasiado grande e cansativa, mas que vence realmente pela experiência, e foi com esse espírito que encarei a viagem, como aliás, encarei a vida.

Pelo meio, e foi pensado, parei em Salamanca. Queria conhecer uma das maiores cidades de Espanha e uma das mais históricas cidades da Península Ibérica. E antes que continue, preciso de vos fazer uma pergunta: já se sentiram numa cidade como se ela fosse a cidade da vossa vida? Foi isso que senti nesta, simplesmente.

Não me perguntem se foi a parte histórica, a limpeza da cidade, o facto de ter uma café português, da simpatia das pessoas. Eu senti-me em casa, capaz de ficar lá. Tem a Plaza Mayor que é um sítio inacreditável durante todo o dia, até altas horas da noite, cheio de juventude, simpatia e luz, quer da cidade, quer das pessoas. Tem as Catedrais, que mostram uma arquitectura e grandeza assinaláveis, a Casa das Conchas, que é extremamente bonita, além de poderem constatar os efeitos que o Terramoto de Lisboa de 1755 causou na cidade, por exemplo, na Torre de las Campanas, com um pequeno vídeo demonstrativo que mostra perfeitamente onde estão as falhas estruturais da torre.

É por isso que vou voltar, com muito mais calma e tempo para apreciar muito mais. E recomendo que passem por lá, bebam um copo e desfrutem. Pode ser que nos encontremos por lá.

 

Resultado de imagem para salamanca

créditos da imagem

2 comentários

  • Imagem de perfil

    David Marinho 30.06.2018 07:05

    É lindíssima e aparentemente não tem nada de super especial. Deve ser por isso..
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.